quarta-feira, dezembro 12, 2018

Qual o primeiro caminho para o sucesso?

Por certo tempo na minha vida, sofri de um mal que assola muitas pessoas neste planeta: a indecisão. Ser indecisa me fez passar por uma série de situações complexas e perder grandes oportunidades nos mais diversos segmentos. Para quem não sabe ou finge não saber, a indecisão leva o ser humano a enfrentar crises de ansiedade, de angústia e leva a um sofrimento constante! Já imaginou o quão angustiante é estar na posição de uma pessoa indecisa? Doença na certa!

Os dois grandes lados da minha vida, o pessoal e o profissional, me deixavam em conflito interno. Não conseguia me posicionar diante das duas situações. E olha que isso se estendeu por anos. Tinha a certeza de que não estavam me fazendo bem, mas fui me entregando ao medo do que poderia acontecer após a decisão. Pensava: “E se for o errado a fazer? Como vou viver com o peso de ter feito essa escolha?”. Então consenti: “Não estou feliz! Eu realmente preciso resolver!”.

Eu agi! Decidi o que seria melhor pra mim depois de uma longa batalha interna travada contra minha própria vontade, regida por um medo que tomou meu corpo e meu tempo!  Tempo! Palavra-chave das nossas vidas nesse exato momento. Hoje, tudo corre contra ele. O momento não é de desespero, mas sim de decisão. É que quanto menos tempo a gente perde, mais vida a gente ganha.

Estou falando disso porque por anos eu me peguei pensando na palavra caminho, o que logo me fazia pensar em futuro e que, consequentemente, me fazia lembrar que eu estava parada em um ponto – eterno – de partida em que eu não aguentava mais ficar.

E hoje, após conseguir me posicionar em meio aos meus objetivos, vejo corriqueiramente cenas que me deixam em profundo estado de tristeza e chateação. Situações semelhantes às que eu passei e outras até mais simples, bem mais simples. Vejo pessoas que pedem opinião para 50 das 60 questões que devem resolver em uma manhã. Assim como também vejo aquelas que não conseguem decidir nem qual a cor de uma blusa ou de uma sacola vão usar, sem a opinião do colega. Tudo que eu já vivenciei, além do que vejo constantemente, deixou claro para mim que nós precisamos fazer o que temos vontade.

Exemplo: Quer fazer cupcake para os convidados mesmo já tendo brownie e mais de 1.000 doces na sua festa? FAÇA! Não importa! Faça sem depender da opinião do outro. Os projetos são seus. Nós idealizamos e nós sabemos o que pode ser bom ou não. Confie mais em si mesmo! E se for perguntar a opinião de alguém, receba a resposta sem desacreditar na sua ideia. Sugestões são bem-vindas, mas não desanime.

Acredite! Se formos perguntar sobre tudo a quem nos acompanha em um dia de compras, certamente 89% das respostas não vão nos agradar. Mas afinal, você não perguntou? Quem pergunta duvida. Se duvida, não tem certeza! Se você não acreditar no que quer, você vai seguir a opinião do outro e no final vai se arrepender de não ter investido no seu próprio instinto. Este é o primeiro caminho: acredite em si mesmo!

Aceite-se como é! É aos poucos que as coisas começam a acontecer. Eu decidi dar um sentido aos meus talentos sem medo e sem pedir a opinião de ninguém. Eu só precisei me aceitar e encarar o mundo como ele está, oferecendo o que eu tenho de melhor. E acredito que sou capaz, como todos nós somos. Com essa mensagem eu firmo minha parceria com o “Sucesso Pede Mais”: esteja sempre pronto para colher os frutos do seu sucesso. Com esses frutos, novas sementes virão e assim um novo plantio e uma nova colheita! Esteja sempre aberto para uma nova jornada.

Nina Werg – Jornalista, Relações Públicas e Empreendedora.
error: Content is protected !!