Construindo Relacionamentos

705

Já inicio este pequeno texto com uma indagação: Quando começa o amor da mãe pelo filho?

Bom!

Psicóloga que sou, já me antecipo na resposta ao dizer que tal ligação inicia-se na cabeça e não no coração da mamãe, ao contrário do que muitos pensam.

A questão é que antes mesmo do nascimento ou da concepção de uma criança, o filho já começa a existir no sonho e na imaginação da mulher, ou seja, em sua cabeça.

Ela passa então a idealizar como e quando terá seu bebê, se será menino ou menina, se parecerá mais com ela ou com o pai…

Enfim o filho começa a permear o mundo simbólico de sua mamãe, claro que ainda não de uma forma real mas desde já um tanto concreta.

Tal movimento de sonhar, pensar, imaginar, falar e então planejar a chegada do filho ao  que a psicologia chama de “enxoval psíquico” – explico sobre isso em um próximo texto, viu?! 😉 – é um momento de suma importância para a mulher, pois é esse momento que dá condições psicológicas para que a futura mamãe  possa sustentar e equilibrar a vida de seu filho à  vida que ela já tem, com todos os seus  demais papéis e compromissos, isso sem contar com todas as transformações biológicas pelo qual passa o corpo feminino ao vivenciar  um processo de gravidez.

Feito este planejamento, a criança pode então chegar!

Afinal de contas, a cabeça de sua mamãe já está convencida e preparada para este novo momento, em que também seu coração já começa a bater mais forte e marcado por um sentimento e uma certeza de que esse é o momento de alinhar e dividir sua vida com uma nova vida.

Percebe-se assim, que o cuidado da mulher em cuidar de si mesma se organizando para esse momento, na verdade é como se fosse  um cuidado de mãe para filho.

Agora a mamãe já garantiu ao filho um lugar único e aconchegante não apenas no seio materno, mas em seu mundo como um todo, encontrando um, ou melhor, vários pontos de equilíbrio entre seus afazeres e seu maior feito “seu filho”, faz-se de suma importância ao sucesso dessa relação que a mulher conduza e facilite a entrada do homem, agora PAI, nesse relacionamento.

Afinal de contas ele também faz parte de todo esse feito e isso desde lá atrás ainda no momento da concepção, assim seu papel torna-se primordial na educação e condução desse filho a uma vida plena e cheia de muito sucesso, porque afinal de contas sucesso pede mais relacionamentos.

E os relacionamentos exercem uma influência imensa na evolução humana.

Por isso que é recomendado a todos que invistam em seus relacionamentos e não procurem sugar o outro e obter vantagem.

Pare para pensar: por que será que a distância física, financeira ou intelectual não separa tanto as pessoas como as barreiras emocionais?

Todos os dias você constrói: Quem você É, para buscar no futuro o tipo de pessoa que pretende Ser.

Andréia Leite – Psicóloga Coach e Palestrante nas áreas de Comportamento infantil e relacionamentos familiares.

Comments

comments